Colaboradores

quinta-feira, 14 de junho de 2007


Ainda em clima de Dia dos Namorados nessa semana de falsidade, mentiras, mas também amor, carinho, desejo, vivências etc.; e ainda pegando a deixa do meu anjo Liv que escreveu um texto a respeito de uns dos maiores atos de amor e/ou desejo, O beijo e também sobre esse dia "todo especial"; (veja o link d+ http://lilyllith.blogspot.com/) redijo esse humilde texto.


Amor puro*

Toda forma de amor é válida, e digo isso não porque estamos numa semana que isso é expresso, pelo menos retoricamente, mas sim porque já estamos em falta. Reunida com amigos ontem fui pensar a respeito; existia a não cobrança recíproca, o respeito, a tranqüilidade e autenticidade de cada um, existia Amor de verdade, o que me mostrou que no fundo sempre estamos em busca disso, desse sentimento nobre, abstrato e ao mesmo tempo material. Às vezes o complicamos demais, achamos que só é possível Amor com o tempo, com convivência etc., porém acredito que devido o amor não pertencer ao outro e sim dentro de nós, como algo individual que se atribui ao outro, é bem possível amarmos por um segundo; de repente quando estamos no meio de um dia cansativo dentro do trem cheio, nos deparamos com um olhar de um segundo, um olhar que te transcende dali e ao a porta abrir se acaba, por que não podemos dizer que naquele momento amamos? Podemos amar por alguns dias alguém que lhe trouxe prazer por minutos, mas conseguiu jogar tudo no lixo covardemente (quem já não passou por isso?). Também podemos amar alguém eternamente, aquele amor infinito, sem medidas, o amor que nos deixa livre (aliás, amor só existe na liberdade), enfim, o Amor é flexível o bastante para não o limitarmos a algo abstrato e muitas vezes simbólico, o tempo.
Por isso afirmo, toda forma de amor é válida, vamos amar, beijar, se permitir. Vamos nos machucar?.. Vamos nos decepcionar?... Vamos chorar muito ouvindo uma música triste?...Sim! Muitas vezes, porém nada que não nos faça crescer, olhar pra trás e ver que toda dor vale a pena quando por trás existe uma boa experiência de vida.


“Aqui vos deixo. Aqui vossos amigos, os da alegria ritos celebrando,
Despedem-se de vós. Eia, a caminho.
Tende por certo: amar se aprende amando.”

Trecho de “Epitalâmio” de Carlos Drummond de Andrade.



Flávia P.

3 comentários:

FER disse...

Lindo, sofisticado e com uma pitada de Drummond para fecgar com chave de ouro.

Hiro, disse...

faltou dizer que a trilha da amelie...
estava a tocar de fundo!

Lilyllith disse...

é minha cara amiga... como disse Hiro, a trilha sonora da Amelie seria perfeita...

mas hj estou um tanto "introspectiva"... uma mistura de um mte de sentimentos.. uma bagunça enorme aki dentro de mim...

e sabe o que é pior? acho q foi esse tal AMOR q fez isso comigo...

ai ai ai... eu ainda morro disso! =) [TOMARA DEUS!!]

ósculos!!