Colaboradores

terça-feira, 16 de novembro de 2010

Saudade



Saudade cruel e avassaladora
Senti-lá sem evitá-la
Está além dos meus poderes
Infiltra-se de fininho quase nem se percebe
Mas quando se percebe já está
Que posso eu fazer diante das tarefas diárias
E obrigações rompantes
Digo: claro
E continuo a conviver com a saudade
Que tem sido minha amiga dura
Que insisti deixar os pensamentos à deriva e sempre longe
Eu não me pertenço mais
Pertenço a alguém que me revela
Luz
E amor

Flávia Pereira.

Um comentário:

António disse...

A saudade é sempre cruel, saudade é um sentimento avassalador que nos toma por completo.