Colaboradores

terça-feira, 25 de março de 2008



... é encontrar em seu corpo um abrigo qualquer.
Um refúgio em seus ardentes beijos e abraços.
Depois de cada despedida saber que depois poderei descansar em seus braços;
Morrer de prazer em estar deitada ao seu lado;
Ouvir sua voz cantar uma música qualquer e ver delicadamente seu dedilhar no violão...
Posso repousar o meu olhar em seu olhar e me sentir atraída
Por tanto tempo em que os dias permitirem e as insônias persistirem
Enquanto o pensamento não cansar
Enquanto nossa liberdade nos prender
seremos nós perdidos em nós mesmos,
nas quimeras e promessas, besteiras e confissões
alegrias e decepções que são só nossas
e permanecerão nossas
por cada instante de desejo, de paixão , de envolvimento, de entrega, de lágrima caída na plataforma enquanto lembro da despedida;
Tudo continuará enquanto soubermos que todo receio que sentíamos antes, agora se transforma na certeza , uma certeza medrosa, mas que nos envolve, enleia, ata-nos.
..é querer estar assim, assim..


"Não se afobe, não que nada é pra já. O amor não tem pressa ele pode esperar em silêncio, num fundo de armário, na posta-restante, milênios, milênios..."
Flávia Pereira

3 comentários:

nanda oliver disse...

momentos indescritiveis...

texto lindo flá...

Hiro disse...

esperando a esmola
....
ja ja vou tirar a carta que eu fiz pra vcs!
hshuashashahs

virando um bene na vida!
cruel!

Lincoln Martins disse...

gostei do texto amor, mas ele não tem nada a ver com o que a gente sente quando está junto... Não chega nem perto ;0) - Bjão!!