Colaboradores

segunda-feira, 4 de agosto de 2008

Estive na bela Casa das Rosas na quinta-feira passada para ver a Quinta Poética promovida pela Editora Escrituras e lá havia alguns poetas, uns mais conhecidos outros não, enfim foi um começo de noite extremamente agradável. Fica aí um dos poemas lidos por Mário Bortolotto, que não para menos deixou todos de boca aberta, como sempre.

FerPereira


UM LUGAR LEGAL PRA ESTAR
(WHEN THE MUSIC STOPS)

Ela me disse casualmente
que havia notado a mancha de sangue na minha camisa
Disse a ela: Não se preocupe, não é nada
Ela respondeu: Eu não tô preocupada
Resmunguei: é melhor assim
Achei que podia me divertir um pouco
assistindo uma luta de boxe na tv
Tirei a camisa manchada de sangue e joguei no tanque
Ela vestiu uma micro-saia e saiu pra rua
Abri uma cerveja e resolvi esperar
Os ponteiros do relógio eram guilhotinas no meu pescoço
Quando ela voltou, não falei nada
Fiquei no escuro vendo ela se mexer
deixando cair sua saia
no caminho pro banheiro
Deixou a luz acesa e ouvi o barulho
não vou usar de eufemismos nesse momento
pra dizer o que ela estava fazendo
somos um casal com tempo de serviço
nossa indiferença mútua provava isso
meu enorme peso no sofá atestava isso
Ela acendeu um cigarro no escuro da sala
e a chama do isqueiro fez com que ela me notasse
"é mais difícil do que você imagina", ela disse
e o seu desprezo me acertou como um blefe de pôquer
Ainda ficou um tempo olhando pra mim
antes de vencer o orgulho e perguntar
"O que era a mancha na sua camisa?"
"Já disse. Não é nada. Não precisa se preocupar"
Ela soltou um foda-se e foi pro quarto,
deitou e ficou fumando olhando o teto
Levantei e fui até o banheiro
Cambaleei e tive que me apoiar na porta
Abri o armário e peguei o mercúrio cromo
ou você não sabia que a maioria das histórias de amor
terminam com alguém limpando as feridas?

(Bortolotto, M.)
Fonte: Blog dele, que é um dos meus links abaixo (dramaturgo)

3 comentários:

Catt disse...

Grande Mário! Pena que não pude estar lá.
Achei esse poema intenso, não sei bem explicar. Disse uma vez à alguém : "O tempo é mercúrio-cromo." E é verdade. Fechar a ferida dói tanto quanto abri-la.
Beijo meu Anjo!!

nanda oliver disse...

puta que pariu!

Anônimo disse...

que foda....

Eu já ouvi essa frase: "O tempo é mercúrio-cromo"..aliás, Cat, vc quem disse a mim, e ñ é que vc e Machado de Assis tinham razão..

Flávia.