Colaboradores

segunda-feira, 15 de junho de 2009

Claro que não a seria mesma coisa. De manhã normalmente eles se levantavam cedo, iam caminhar ou praticar uma pequena corrida; já não seria mais assim. O que ela faria agora? Como serviria o almoço?

Mas decidiu parar de pensar nisso e continuar a escolher um vestido para a festa de Madalena. Será que ele teria a cara de pau de ir? Afinal, Mada era amiga dela, é certo que se tornaram grandes amigos após o início do relacionamento, depois que ele conheceu Mada, mas não era possivel, ele não chegaria a tanto.

Continuou a olhar com certa distância os seus vestidos, que não eram muitos, tinha jogado fora pelo menos meia duzia deles depois do fim, foram presentes. Sim, dele.


Pendeu a cabeça pro lado como quem ajeita um torcicolo e avistou uma revista de moda. Folheou sem compromisso, quem sabe não surgiria dali alguma ideia, alguma saída...

Foi até o banheiro folheando a revista, seus passos eram lentos e seus pés descalços sentiam o chão frio, mas pareciam não se incomodar, a revista também os distraia.
Abriu a ducha. Esqueceu. Passava pela sua cabeça as fotos das modelos ou seriam as suas? As fotos do Mauro tinham ficado boas, seria um grande passo para a sua carreira. Fechou a ducha e sentiu a sua pele resfriar, sentiu. Gostou de sentir e assim ficou por alguns minutos até o telefone tocar:

- Alô?

- cê vem né?

- Sem dúvida Mada! To aí em meia hora.

-Fechou!

Despediu-se. Colocou o vestido. Escolheu um verde escuro com detalhes em rosa, mas não se esqueceu do lenço preto com uma grande rosa vermelha. O resto deixou para trás, a porta e as escadas, afinal os pés ainda estavam com ela.


Fernanda Pereira

2 comentários:

Fernanda Moreno disse...

saudades de você...

da poesia...

dos cantos...

to me sentindo muito distante de ti...

Fernanda Moreno disse...

aliás...

lindo texto!!!

quero saber mais