Colaboradores

quinta-feira, 26 de abril de 2007

Amor


"Leve, como leve pluma muito leve, leve pousa
muito leve leve pousa
Na simples e suave coisa suave coisa nenhuma.

Suave coisa nenhuma

Sombra, silêncio ou espuma nuvem azul que arrefece

Simples e suave coisa
suave coisa nenhuma, que me amadurece

Leve, como leve pluma muito leve, leve pousa
muito leve leve pousa"
João Apolinário

4 comentários:

FER:O) disse...

Lindo não?Valeu Mário pela poesia.

Hiro, disse...

eh leve como chumbo?

Lilyllith disse...

é incrível como ele vem despercebido e se instala aki dentro né?!!

ahhhh se fosse fácil lidar com ele como é fácil lidar com as plumas!!

pelo menos a beleza dos dois são equivalentes né?!!

bjs e sorrisos!!

Mário Coração dos Outros disse...

Puxa, gostei muito que vc tenha publicado o poema que te mandei... depois te envio mais!
Bjão!